sexta-feira, 8 de março de 2013

Dia de mulheres



É impactante pensar que mesmo em número maior no mundo ainda somos classificadas como minoria...

Todavia, mesmo que ainda não realizado em sua plenitude, já podemos nos orgulhar por termos conquistado, no mínimo, três condições:

PRIMEIRO, deixamos de ser invisíveis. Houve tempo em que nem éramos contempladas em estatísticas oficiais, em aferição de votos para condução da política. Qualquer protagonismo nosso era escondido, sufocado ou usurpado por outro.
Hoje não só estamos na agenda política do país, do mundo, como também ocupamos espaços de construção de pautas que são caras a nós e aos demais.

SEGUNDO, conseguimos ir para a rua. Sair da contemplação da janela da vida doméstica, privada, e correr, exibir-se, transitar no mundo. Ainda há muitas portas e janelas fechadas e não serão flores que as abrirão.

TERCEIRO, temos estampado nos espaços públicos que não há uma essência feminina. Assumimos várias formas de estar no mundo e queremos delas nos valer. Somos diversas.

Assim, somos muitas, somos diversas e ocupamos as ruas.

A luta por esses espaços ainda é cotidiana.

Queremos ser donas do nosso corpo.

Queremos estilizar, customizar a condição feminina.

Queremos mais que o matrimônio e a maternidade como projetos de vida, inclusive ter o direito de não desejá-los e nem por eles nos sentir cobradas, oprimidas.

Queremos que não nos criem perfis psicológicos que justifiquem as violações que sofremos. A violência chega porque somos mulheres.

Mundo, essas são nossas pautas mínimas e não nos segurem pois

... os que atravancarem NOSSOS caminhos, eles passarão... NÓS passarinhos!!!


(Cynthia Ciarallo) 

2 comentários:

Naty disse...

Estava passando por blogs e esbarrei com o seu.
Adorei o texto e o espaço.

Um abraço e bom fim de semana!

Naty

http://borderline-girl.blogspot.com.br

Anna rica em humores disse...

Boa Noite!
Passa lá no blog que já contei como foi a tão esperada consulta, amiga.

beijos
Anna