quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O que você vai ser quando você crescer...

Hoje fiz um atendimento um tanto fora do comum...
O adolescente envolvido com roubo e lá lá ! Lá fui eu orienta-lo quanto a medida e leva-lo a reflexão do ato! (yees, this is my job). O menino era meio caladão, usuário de drogas, primeira passagem pela polícia, olhar desconfiado, porém concentrado. Eu tentei puxar muita coisa, mas ele era muito direto nas respostas. 
Lá pelas tantas do atendimento, o pai começou a falar sobre o comportamento do filho, e me relatar como ele tinha sido rebelde na adolescencia.
'-ah doutora, eu já fiz tudo de errado nessa minha vida.. usei muita maconha, brigava demais. qualquer coisinha, era porrada na certa.. mas eu nunca roubei'.
Usuario de drogas também, relatou que nunca fez mal a ninguem para sustentar o vicio, e que agora dividia com o filho a droga. Se sentia orgulhoso de passar para o filho isso.
Sem nenhum grau de instrução, com o linguajar carregado de girias e palavrões.
Referencial de pai? Referencial de autoridade ? Cade? Será que esse menino tem alguma?
O pior de tudo é que sim. Pela conversa, pude perceber a relação amistosa e respeitosa entre eles. (sim, quando o pai e o filho sentam para o atendimento, já percebo qual a relação entre eles.)
O filho que entendia o pai, e o pai que apoiava e puxava orelha do filho. O pai que brigou com o filho quando ele cometeu o ato, o filho que entendeu o que o pai quis dizer. O filho que respeita e entende que o que ele fez é errado. Que o que ele continua fazendo ainda é errado, e os dois tem plena consciencia disso.
-' mas, num to fazendo nada de ruim com ninguém, né dôtora? To no meu cantinho, e não acho que isso seja tão errado assim.."

A estrutura familiar influencia muito nas decisoes que tomamos ao longo das nossas vidas.
O pai, como diz Lacan, é quem coloca as regras na vida da criança..
Esse pai tinha autoridade sobre o adolescente.
E ai voce deve tá se perguntando: o que eu fiz ?!
Orientei sobre a medida, fiz a escuta silenciosa e paciente, falei do uso excessivo de drogas, o que poderia causar, o que já estava causando, tentei puxar algumas reflexões, e eles sairam com algumas questões na cabeça.
O menino disse que se arrependia do que tinha feito.
A realidade é essa. Pais que orientam seus filhos, que usam drogas com eles, que incentivam no uso do alcool, que querem ser mais filhos do que pais...
Que estrutura de familia temos hoje em dia ?
Adorei atender esse caso hoje. Pela complexidade de coisas que ele me trouxe.
Nunca mais vou ve-los. Infelismente.. é o onus do meu trabalho. e só !

 
"Você culpa seus pais por tudo. Isso é um absurdo!!!
São crianças como você..."
Legião Urbana

11 comentários:

Déia disse...

Nossa Querida!

Que situação delicada! Me sinto impotente quando tenho que fazer um atendimento desses!

Que bom q vc gosta! rs

É valioso seu trabalho!

bjkas

Vanessa disse...

Sarinhaaaa, é você na tão sonhada situação de todo universitário, ou a maioria né? 'Exercendo a profissão'. Tenho certeza que o filho tanto quanto o pai, saíram de lá com a pulga atrás da orelha.. e diante disso, a gente (ou melhor eu) reza pra situação da nossa sociedade mudar.. Beijo, e sucesso pra você lindoona! ( ;

Fernanda Ferreira disse...

Gostei da bela partilha de experiência que fizeste aqui...

De fato, ultimamente tenho percebido o mesmo. Surpreendo-me em aprender com aqueles que são os mais pequeninos, aqueles que vivem a margem da sociedades, aqueles aos quais ninguém dá sequer voto de confiança...

Grande abraço!

Ana Carvalho disse...

é nata! ócios do ofício!
beijos

laislabonitta.blogspot.com

Jeany disse...

Muitooooo bom vivenciar coisas diferentes que nos fazem pensar e crescer tanto profissionalmente quanto como pessoa!

Gostei da sua história e amei a fotica..tudo a ver

beijinhos

JIME disse...

Tenha uma ótima semana.
Beijos.

Juliana Pires disse...

Que situação diferente, ver pai ensinando filho a usar drógas, nós estamos mais acostumados a presenciar pais lutando para tirar o filho das drógas...mas eu acho que isso é bastante comum tratando-se de álcool, tantos pais bebem na frente dos filhos incentivando-os.

Beijos

Ana Carvalho disse...

Ahh eu gostei da foto. o menino ta tomando mamadeirinha, e esse chifre é o símbolo do time de futebol (assim como o do flamengo é um urubú, o deles é um búfalo)

mas falando sobre o texto.. pais são MUITO impotantes na vida dos filhos.
parabéns pelo artigo, ficou ótimo!

beijos

Natália Balbina disse...

Olá...primeiramente gostaria de pedir encarecidamente que este comentário não fosse publicado. Vim até aqui apenas pra dizer adeus. Ontem fui notificada pela faculdade que dois anônimos (covardes) foram até o Conselho Regional de Psicologia e denunciaram o meu blog "Se o se não tivesse ficado só no se". Fui obrigada a fechar o mesmo e sofrerei um processo, perigando a nem conseguir mais meu registro como psicóloga (consequencia mais grave). Informo que minha intenção com o blog era apenas fazer uma reflexão sobre o trabalho dos psicólogos, divugar os meus conhecimentos e contribuir para uma qualidade de vida dos individuos, incentivando as pessoas a procurar esse serviço. Nunca quis prejudicar ninguém, e confesso que fui um tanto ingênua. Sentirei falta de postar, e receber comentários, mas definitivamente n voltarei mais a ter blog.
Email de contato: nati_belissima@yahoo.com.br .

Sammyra Santana disse...

Depois de um longo e tenebroso inverno... VOLTEI! rsrs
Juuuuuuuuuura que vc é Psicóloga??? eu comecei o curso agora (quero aliar a Psicologia ao Direito)! Caran, somos gêmeas mesmo, nem tem pra onde correr mais! hahahahaha
Adooooooooooooro e vou te perturbar taaaaaaaaaaanto que tu nem sonha!
Beeeeeijo

JIME disse...

Feliz Dia Internacional da Mulher!
Tenha uma ótima semana.
Beijos.