terça-feira, 2 de novembro de 2010

ela acreditava em anjos...

A morte é algo me intriga! Se é a única certeza que temos em nossas vidas, porque nos faz refletir tanto?
A mãe, que foi passar a noite em casa, deixou o filho no hospital, aos cuidados do médico! "A mamãe volta amanhã, meu filho" - dizia ela, beijando a testinha. Samuel, que nascera com várias complicações, estava com o olhar um pouco mais vivo. No dia seguinte, ao chegar no hospital, a mãe se sentia bem! Tinha recuperado as forças, as energias para continuar ao lado do filho. Mas, o leito estava vazio. Seu filho havia falecido 1 hora antes dela chegar. Levaram para o necrotério. A psicologa deu a noticia. O semblante da mãe, mudou. Agora uma tristeza tomava lugar daquela serenidade, no qual ela havia chegado. A psicologa ouviu. Acolheu a dor e a tristeza daquela mãe. Acompanhou até o necrotério. Samuel estava na gaveta. Lugar gelado. Lugar estranho. Ao lado da mesa, uma vela, um terço, uma Biblia. A mãe abraçou Samuel, beijou o rostinho dele, despediu-se do filho. Nada de escandalos, nada de desespero. "Você descansou, meu filho" -repetia a mãe, num choro silencioso, onde as lágrimas escorriam e molhavam a testa de Samuel. O pai, ao lado, solidário com a dor, no choro silencioso, abraçava a mulher, e o filho. Tinha que resolver os trâmites legais, queria um enterro digno para o filho... mas não conseguia se mover. Nós permanecemos ao lado, solidários com a dor e a tristeza, mas a certeza de que o filho não sofreria mais. 
O pai saiu, a mãe sentou ao lado da criança, e começou a conversar com ela. Contara histórias do nascimento, dos sonhos que ela tinha para com aquela criança. Nos retiramos. 
Choramos. Porque ver a cena, me fez lembrar dos filhos , dos pais, dos avós, das pessoas queridas que queremos que permaneçam conosco para sempre, em nossas vidas!!!
Quais as representações que deixamos para as pessoas que convivemos? São lembranças boas? Meus avós morreram e só tenho lembranças boas! Não lembro de brigas, discussões.. Lembro de colo, carinho, e essas lembranças são repletas de saudade. E voce? Presença viva na vida das pessoas, ausencia ruim??
A morte é mais presente nas nossas vidas do que imaginamos.  É a única certeza da minha vida. Pode ser que ela aconteça amanhã, ou daqui a uns 30 anos. 
Então, é uma ótima oportunidade para pensar do que realmente é a vida. E que se a maldade estiver mais presente do que a bondade, é hora de mudar o rumo dessa história!
E acreditar que temos anjos, na terra e no céu! 

"Ela acreditava em anjos, e porque ela acreditava, eles existiam"

4 comentários:

Elberth Bertoli disse...

Nossa, achei lindo o seu texto. Aconteceu realmente? Acho que uma das coisas que eu mais tenho pensado e refletido é sobre o que deixamos para o mundo. Irei, ainda, escrever sobre a nossa permanência na Terra, através dos sentimentos e momentos que preparamos para todos os que nos cercam e que alimentam a alma com nossa vida, nosso sorriso, nosso viver de bem. Isso é algo que permeia o ar e nos liga, enlaça e enobrece a vontade de viver. Por isso sou a favor de dizer que todos temos um pouco de muitos e que a vida, só é via, porque fazemos parte de um conjunto de pessoas que passaram por nós. E a frase final, logo abaixo do anjo, abriu uma porta - digamos - mística. E quebrou uma parede que a teologia impôs em minha mente. Obrigado pelo texto e pela alegria de pensar levemente. Postei outro texto no meu blog, olhe lá.
Abraços.
PS: peça ao Igor para passar meu msn, preciso de ajuda sua para meu mestrado em psicologia institucional. #urgente.

paulo disse...

Todos temos os nossos anjos protetores, Sarah.
E como a morte é a coisa mais certa em nossa vida, devemos, cada vez mais, valorizar a vida.

Beijo

Tatá disse...

A única coisa boa que podemos deixar são as lições aprendidas que vão com a gnt para além da eternidade.
Achei uma graça a história.

Déia disse...

Que lindo!!

Eu acredito em anjos!! E eles acreditam em nós!

bj